Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Guia de shows no Brasil em 2017 (ou nossos sonhos musicais)

TODO ANO É A MESMA HISTÓRIA PARA QUEM É FÃ INCONDICIONAL DE SHOWS: quem será que virá fazer shows no Brasil em 2017? Pensando nisso, e sem querer bancar o vidente do mundo musical, nossa equipe citou apresentações de artistas que deveriam vir para o país. No meio do palpite é possível encontrar atrações confirmadas para os grandes festivais de 2017, mas a maioria expressa apenas a vontade de cada um dos nossos escritores.

Aproveitem sem moderação e contem para gente quem você quer ver tocando por aqui em 2017:

A segunda visita do Radiohead

- Advertisement -

A cada novo ando que respondo essa pergunta participando de matérias no Audiograma, sempre me repito na mesma banda. Minha auto constatada mono-preferência pelo trabalho do Radiohead se justifica porque eles são a maior banda do mundo, com as melhores músicas, melhores shows e preciso de mais uma dose dessa sensação única que é presenciar os caras tocando ao vivo. Fica a expectativa para que o Rock in Rio logo confirme o Radiohead no seu line-up. Ou que algum produtor tenha a coragem de trazer a banda para apresentações solo. (Tullio Dias)

https://www.youtube.com/watch?v=IX7j6HY9s_0

Aerosmith: Agora vai!

Perdi uma. Perdi duas. Mas não dá mais para perder nenhuma chance de riscar o Aerosmith da minha lista pessoal de bandas que preciso ver ao vivo antes de morrer. No caso do Aerosmith, considerando a idade do pessoal, corro o risco é deles morrerem antes. Por isso, como parte das atrações oficiais do Rock in Rio 2017, meu maior objetivo musical do ano que vem é assistir ao show deles. E berrar cada verso dos clássicos daquela que foi a minha primeira banda do coração. (Tullio Dias)

Chega mais, The Weeknd

Um dos nomes da dita nova geração da música, Abel Tesfaye tem data marcada para visitar o Brasil. Em março, o cara conhecido por todos como The Weeknd será uma das atrações do Lollapalooza e a promessa é de teremos um bom show para ver. Com o recém lançado álbum Starboy debaixo do braço, Abel promete percorrer o mundo em 2017 com suas músicas dançantes e quentes (sexualmente falando) e, provavelmente, essa será a única chance de ver ele por aqui no ano. Pelo que faz em estúdio, é um show que tem tudo para ser interessante. No entanto, a grande curiosidade é saber como será ouvir “False Alarm”, “Starboy”, “The Hills” ou “Can’t Feel My Face” ao vivo em Interlagos. Não sei vocês, mas eu vou pagar para ver. (John Pereira, do site Audiograma)

Sempre tem uma primeira vez, né, Silversun Pickups?

Na minha lista de bandas que preciso assistir ao vivo algum dia existem nomes que dificilmente pisariam no Brasil fora de um festival. O Silversun Pickups conquistou meu interesse com a linha de baixo de “Lazy Eye”. Com o passar dos tempos acompanhei o amadurecimento da banda e fui me apaixonando por seus clipes e novos lançamentos. Esse é mais um nome que me faz querer sair de casa para assistir ao Lollapalooza 2017. (Tullio Dias)

Ser adolescente novamente com Jimmy Eat World

Me apaixonei por Jimmy Eat World depois que uma ex-namorada colocou para tocar “The Middle” e ficou indignada por que eu não conhecia/amava. Isso que dá namorar gente tão ou mais tarada por música. Lembro dela pulando e rodando cantando a música. A felicidade encarnada num momento de dois minutos de duração. A vibe da banda é especial e o tipo de atração adolescente que as pessoas deveriam se permitir viver de vez em quando, principalmente num grande evento como o Lollapalooza. (Tullio Dias)