Review: Fear the Walking Dead s03e09-10

fear-the-walking-dead-s03e09-minotaur-002

Fear The Walking Dead é uma série que tenho um carinho imenso. Primeiro porque foi a primeira série de TV que ganhou espaço no Cinema de Buteco. Segundo porque me apresentou o Rafael Façanha, Ivy Leça e uma turma maravilhosa do Fear the Walking Dead Brasil e Walking Dead Br – inclusive, eu sou o apresentador do podcast oficial dos dois sites e isso é do caralho.

Por motivos de força maior (trabalho somado com falta de organização/disposição) acabei desmotivado e perdi o timing para escrever sobre os primeiros oito episódios desta terceira temporada. Na real, confesso que tive uma resistência enorme em continuar acompanhando a série após a morte ridícula do Chris na 2ª temporada. Mas continuamos firme e fortes gravando os podcasts e sentia falta de colocar meus pensamentos aqui no Buteco. Agora isso mudou e cá estamos para acompanhar o encerramento deste terceiro ano.

O retorno foi com um episódio duplo, assim como aconteceu na estreia e na mid-season finale. O saldo até agora está positivo e com uma maturidade imensa, se comparada com os outros anos da série. Não sei até que ponto isso pode ser considerado um grande mérito, mas prefiro dar (mais uma vez) meu voto de confiança.

Review Fear the Walking Dead s03e09 – “MINOTAUR”

O recomeço de Fear the Walking Dead em “Minotaur” é focado nas últimas ações de Troy, que se recusa a entregar as suas armas para Walker e sua turma. É sem dúvida uma bela sequência (e tensa) quando o rapaz se fecha em casa com Nick numa atitude completamente kamikaze. Troy sabia que poderia acabar morrendo e arriscou levar Nick com ele.

O grande momento, que eu inocentemente achei que não aconteceria, foi quando Nick revelou que foi o responsável pela morte de Otto. A expressão de choque nos olhos de Troy foi o ponto alto. Foi o golpe necessário para acabar com sua fúria.

O convívio entre as duas tribos fica insustentável, ainda mais após Walker assumir o controle de todas as armas e virar o ditador do bem do rancho. Essas ações, somadas com a iminente falta de água, transformam as pessoas em verdadeiros monstros.

Review Fear the Walking Dead s03e10 – “The Diviner”

Após o exílio de Troy (que infelizmente me parece ainda como um forte candidato a ser vilão ou morrer), Madison e Walker partem para tentar encontrar água. Durante seu caminho, cruzam com Victor Strand.

Esse reencontro forçado é um tanto superficial, mas vamos combinar… Precisava acontecer cedo ou tarde. A força da série está em seus protagonistas e quando eles se afastam dividindo o núcleo, a narrativa perde metade da sua graça.

Paralelamente, Nick e um grupo de moradores do rancho iniciam uma pequena investida contra os novos moradores, que estão perfeitamente conscientes do risco que correm e mantém as armas por perto. Aqui temos a fragilidade do roteiro, dadas as devidas proporções. Essa briga entre os “invasores” e os “nativos” é curiosa por seus aspectos políticos e sociais, mas ficou parecendo um jogo de crianças mimadas brigando na ausência dos pais.

Nos finalmentes, quando tudo parecia seguir um caminho sangrento, as “crianças” entraram num acordo. Nick observa a sua irmã tentando encontrar uma maneira para todos conviverem juntos sem se matarem e deixa a batalha antes mesmo dela começar. Todos se unem para garantir sua própria sobrevivência. Eles entendem que lutar entre si é um grande erro e seria cavar a própria morte – como o próprio buraco cavado por Alicia sugere.

Entendo perfeitamente a escolha dos produtores em misturar dois episódios, afinal “Minotaur” e “The Diviner” conseguem contar uma história com começo, meio e fim. Independente de soar ingênuo na sua conclusão, é um sinal de que a paz pode prevalecer durante um breve período. Ou não.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.