Review: Game of Thrones s07e03 – “The Queen’s Justice”

review game of thrones s07e03 the queen justice

É precipitado querer eleger o melhor momento de uma temporada de uma série que conta apenas com 3 episódios até o momento, mas essa é a história da minha vida. Game of Thrones s07e03, ou “The Queen’s Justice”, merece esse reconhecimento.

Quem gosta de emoção teve um prato cheio com o aguardado reencontro de Bram com Sansa. Ainda que o tom de voz distante e enigmático do jovem Corvo de Três Olhos tenha sido extremamente desconfortável – especialmente para a ruiva que teve sua própria intimidade escancarada – esse foi um ponto alto.

Quando Bram diz “Eu preciso falar com Jon”, uma semente de expectativa foi plantada e agora precisamos esperar pelo momento inevitável em que o bastardo descobrirá toda a verdade sobre a sua família.

Isso pode facilitar para os produtores levarem adiante uma teoria que coloca Daenerys Targaryen como potencial grande vítima desta temporada. Especialmente agora que ela iniciou uma aliança com Jon e começa a sentir as perdas de importantes aliados para conquistar os 7 reinos. Se ela deixar de lado a paciência e permitir que a arrogância supere o seu bom senso, as chances de ser imprudente aumentam consideravelmente.

Existem muitas coisas para serem comentadas sobre esse primeiro encontro entre Jon e Dany. A 1ª delas é sobre a inteligente lição de marketing que Tyrion apresenta: “Você precisa dar algo gratuitamente para estabelecer uma confiança”. Ou seja, ninguém consegue vender nada sem dar algo em troca antes. Dany precisa de Jon, que é o único que percebe que a verdadeira guerra será contra os mortos, e não parece disposto a ceder para quem não conhece. Ao permitir que Jon busque o vidro do dragão, Dany deu um importante passo para garantir a confiança de todo o norte.

Também é arrepiante acompanhar as trocas de faíscas entre Sir Davos e Tyrion. O primeiro afirma que quase invadiu Kings Landing sem precisar de dragões, enquanto o primeiro – orgulhosamente – respondeu um “quase”. Para os esquecidos, Tyrion foi o grande responsável pela derrota do exército de Stannis Baratheon naquela intensa batalha noturna em alto mar na 2ª temporada. Sir Davos estava no time dos derrotados na ocasião.

O contato inicial entre Jon (e seu reencontro com o anão) e Dany também era muito esperado pelos fãs. Desde que os caminhos de ambos se tornaram cada vez mais grandiosos, seria inevitável imaginar quando os dois se cruzariam. Ainda mais agora que nós temos o privilégio de saber que ambos possuem o mesmo sangue (o que reforça a minha ideia de que Khalesi irá reencontrar Khal Drogo até o final da temporada). Os produtores não fizeram feio e criaram um clima perfeito, com diálogos cortantes, desconfiança, até um certo de respeito, e um imenso senso de urgência com cada lado tentando prevalecer.

Por último, Melisandre deu outra pista de que o destino de Pedra do Dragão e os seguidores de Khalesi poderá não ser muito bom: numa discussão com Varys, ela diz que o destino dela é morrer em Westeros – assim como o eunuco. Será que realmente teremos um evento de grandes proporções com a morte de Dany?

Do outro lado da moeda, e trabalhando com detalhes políticos e econômicos, temos Cersei e Jaiminho mostrando para os seus inimigos que não são amadores. Enquanto a estratégia de Khalesi era atacar o Rochedo Casterly e enfrentar uma batalha sangrenta, os Lannisters seguiram para abater outro aliado importante dos seus inimigos.

Ciente de todas as dívidas da família real e recebendo a visita incômoda de uma versão magrela do Seu Barriga cobrando o aluguel, Cersei mata dois coelhos de uma só vez. Não apenas leva seu exército quase inteiro para atacar a casa Tyrell, como também garante todo o ouro necessário para manter o pessoal da “grana” como aliados. Mesmo detestando a rainha, temos todos que reconhecer que ela é foda.

Foda também é a psicologia da personagem, que após se vingar de Ellaria de uma maneira fria e cruel, se enche de tesão e ataca o irmãozinho sem o menor pudor. Se é uma válvula de escape ou simplesmente traços do seu lado psicopata, não saberia dizer, mas são detalhes que tornam Cersei uma das principais personagens femininas já criadas na literatura e televisão. E eu a odeio.

Game of Thrones não está para brincadeira no seu penúltimo ano e o episódio deste domingo deixa isso claro. Não existem mais momentos descartáveis ou gratuitos na série. Tudo parece fazer parte de um grande jogo de xadrez em que todas as peças possuem valor fundamental, mas não podemos adivinhar que lado terá a sorte de sagrar-se vencedor. Como disse, “The Queen’s Justice” é um episódio para ser visto e revisto, e o melhor momento da temporada – até agora.

O que você achou?

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.