Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Review: Outcast s01e02 – “(I Remember) When She Loved Me”

OK.

Mesmo sem um diretor tão interessante quanto Adam Wingard (que dirigiu o piloto), esse segundo episódio consegue ser ainda melhor. Comandado por Howard Deutch (de True Blood e The Strain – que terá reviews semanais aqui no Buteco), “(I Remember) When She Loved Me” foca muito na infância de Kyle.

Até agora, tudo que tivemos sobre a infância de Kyle foram apenas fragmentos para serem montados em nossas cabeças. Esse episódio ajuda a esclarecer algumas coisas, como o dia em que a mãe do protagonista foi possuída. Descobrimos como foi que aconteceu e o impacto disso em Kyle, que agora tenta levar a mãe para casa e recuperar a sua consciência. Ou seja, depois de ser “suspeito” de agredir uma criança no episódio anterior, o nosso herói relutante agora sequestra a mãe de um hospital. Quais serão os próximos delitos do camarada?

- Advertisement -

O episódio introduz um misterioso personagem que surge primeiramente durante o sermão do reverendo Anderson. Os telespectadores mais atentos já conseguem imaginar que aquele velho de terno e chapéu não parece ser do bem. Logo depois ele surge observando o sequestro da mãe de Kyle. Por fim, como se fosse impossível para os produtores manter o suspense (ou acreditar na inteligência do seu público), ele finalmente se manifesta ao visitar a mãe de Kyle (o nome dela é Sarah, mas American Pie me ensinou que dizer apenas “mãe do (insira nome do personagem)” é mais divertido).

O segundo episódio foi uma grata surpresa, já que eu não estava lá tão otimista assim em relação ao que a série poderia oferecer. Agora que já fomos apresentados aos personagens, acompanhar o desenvolvimento de cada um deles será bem instigante.

PS: Outcast faz uma pequena homenagem a Arquivo X com um pôster “I Want to Believe” no quarto de Kyle. Alguém percebeu?

Comentários