Review: Outcast s01e10 - "This Little Light" | Cinema de Buteco
Outcast

Review: Outcast s01e10 – “This Little Light”

Chegamos ao fim da primeira – e bem sucedida – temporada de Outcast, nova criação de Robert Kirkman, o cara responsável por The Walking Dead e Fear the Walking Dead.

Ao longo das últimas semanas foram 10 episódios com mais pontos altos do que baixos. Além de cuidar de toda a introdução dos protagonistas e criar empatia com o telespectador, a série também tinha a missão de ser um raro entretenimento de horror inteligente na televisão. Os produtores capricharam e mesmo sem grandes momentos assustadores, Outcast se garantiu como um entretenimento agradável para conquistar até mesmo aqueles menos corajosos.

Após o cliffhanger com a irmã de Kyle sendo possuída, a expectativa era alta para descobrir o que aconteceria. Não foi perfeito (afinal, não deu para entender exatamente porque ela decidiu ir embora ao invés de agredir a filha e sobrinha), mas satisfatório. O episódio inteiro ficou em cima da busca de Kyle e do reverendo Anderson em encontrar a ruiva antes da polícia.

Paralelamente, o reverendo demonstra ter aprendido valiosas lições sobre não conseguir “salvar o mundo” sozinho. Com mais humildade, mas ainda marrento, ele se prontifica a ajudar Kyle. O detalhe mais marcante é o comportamento do seu futuro enteado, que se revela como um psicopata juvenil e encerra sua presença na série como um objeto de vingança de Sidney.

Já nos minutos finais temos a confirmação de uma ideia imaginada: será que a filha de Kyle também tem o mesmo poder? Afinal, ela podia enxergar o monstro que invadiu o corpo de sua mãe… A revelação é uma grande surpresa e acontece numa sequência tensa na qual tudo parecia possível. Não apenas a pequena possui o mesmo “talento” do pai, como salvou a tia de ser consumida por entidades de outro mundo.

Outcast é uma autêntica história do bem contra o mal, mas foge do clichê ao deixar o “mal” com um caráter ambíguo no qual o telespectador se pergunta se realmente estamos lidando com espíritos demoníacos ou não. E o seu encerramento, com tantas pontas soltas e um cliffhanger lindo, deixa o público ansioso para o que teremos na próxima temporada.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.