Review: Scream Queens s01e01 – Pilot

Scream Queens Pilot
Quando comentei com o Jairo (nosso editor da parte de séries) sobre meu interesse em falar sobre Scream Queens, ele riu. Perguntei o motivo, afinal ele entende muito mais de séries do que eu e tudo que eu sabia era que se tratava de uma obra de humor negro estrelada basicamente por mulheres.

Jairo respondeu que era uma série de “menininhas”, mas que seria bem engraçado ver o que eu teria a dizer sobre o material criado por Ryan Murphy, vulgo criador de Glee. É. E também de American Horror Story.

O desafio foi aceito e iniciei meus trabalhos com uma semana de atraso (porra, eu estava ocupado demais com o Rock in Rio para lembrar de lançamento de séries), ou seja, provavelmente teremos três textinhos novos para Scream Queens nessa semana, num total de 15 artigos garantidos. Coisa demais, ainda mais quando acumula com The Leftovers e The Walking Dead, mas ser dono de site é isso mesmo. Trabalha muito. 😛

O episódio piloto é dirigido pelo próprio Murphy e dá para sentir que ele usa a câmera de forma a homenagear clássicos do horror produzidos no passado. Existe uma tentativa de criar tensão com aqueles closes exagerados no rosto dos protagonistas, e isso acaba funcionando muito bem para mostrar ao telespectador que mesmo com toda a violência, Scream Queens é apenas uma paródia. E uma paródia absolutamente hilária e surreal. Já mencionei que é violenta, né?

LEIA TAMBÉM: Review Fear the Walking Dead s01e05 – Cobalt

A falta de noção do roteiro e dos personagens (especialmente Chanel Oberlin, vivida por Emma Roberts) é de deixar todo mundo de boca aberta. É como se As Patricinhas de Beverly Hills fosse jogado num liquidificador com Pânico e outras comédias politicamente incorretas sobre pessoas cuja riqueza as transformam em seres alienados. Chanel é um verdadeiro monstro fútil e sem noção (o jeito dela tratar a sua empregada doméstica é muito engraçado, mas deixará a turma do politicamente correto de cabelo em pé), e Roberts está ótima na pele da personagem.

Meu momento favorito ficou guardado para o encerramento fatal. Como não rir da piada com a menina surda cantando enquanto todas as suas amigas gritam desesperadas pela morte iminente? Sensacional.

Não tinha visto nada de Ryan Murphy até esse momento e estou apaixonado.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.