Review: The Walking Dead s08e08 – “How Its Gotta Be”

review the walking dead s08e08

Chegamos ao episódio final desta midseason e ainda não consegui processar todos os acontecimentos (ou descobrir se gostei ou não), portanto peço paciência para que acompanhem o desenvolvimento de uma opinião até o final desse review, ok? The Walking Dead s08e08, ou “How Its Gotta Be”, é um episódio regular para uma temporada que vem se apresentando de forma bem superior ao que vimos nos últimos anos.

Sinopse The Walking Dead s08e08 – “How Its Gotta Be”

Após a fuga de Negan e seus Salvadores, Alexandria e o Reino sofrem sérios ataques que abalam profundamente a esperança de uma vitória, trazendo mortes inesperadas para o grupo de Rick.

Review: A Morte de um personagem querido

“How its Gotta be” dá pistas sérias sobre o destino de Carlinhos logo nos minutos iniciais. Aquele flashback de Rick conversando com o seu filho sobre fazer a coisa certa não foi gratuito, e o público mais experiente com essas artimanhas narrativas deve ter sacado logo o que viria a seguir. Além do flashback, as pistas se repetem com Enid dizendo que aprendeu a dirigir com ele, sua tentativa de se sacrificar para manter a paz e também na cena em que Carlinhos deixa uma carta para o seu pai.

No entanto, vamos ser bem sinceros? Mesmo com tudo indicando o que aconteceria, será que alguém quis acreditar e comprar essa ideia? Imaginar a morte de alguém tão importante assim e que poderia contribuir tanto para a série é meio que um suicídio criativo.

Para quem ficou sem entender, Carlinhos foi mordido no episódio da semana passada ou retrasada, sei lá, quando ele resgata Siddiq. Pelo menos é a série respeitando suas lógicas internas, já que a cena em questão realmente representou uma chance real de ferimentos para o jovem. Só que os motivos da morte dele estão mais ligados à idade do seu intérprete do que por qualquer outra razão. E isso é uma grande bosta.

Dito isso, a construção da morte foi muito bem feita. Só que para um episódio final da metade inicial desta temporada, e se tratando de alguém com tamanha importância, ficou a impressão de que algo faltou. Não teve tanta força quanto poderia. Exceto pelos olhares de tristeza de todos os sobreviventes escondidos no túnel durante a chegada de Rick, não tivemos um momento dramático forte.

Talvez fossem as expectativas de um episódio fenomenal, o que não aconteceu. Perdemos um grande personagem em um episódio qualquer que é pretensioso e não atinge seu clímax da forma desejada.

O contra-ataque dos Salvadores

Ver os Salvadores em ação novamente, me lembrou daquela season finale na 6ª temporada. Sem toda a classe, mas com muita raiva, os soldados de Negan mostram a sua força para atacar o Reino e Alexandria, além de atacar Maggie e os soldados de Hilltop na estrada.

Aliás, Maggie mostrou que tem sangue nos olhos e frieza para negociar. Depois de perder uma batalha, a primeira coisa que a líder de Hilltop fez ao regressar para a comunidade foi matar um dos seus reféns.

Aguardo por uma ação defensiva de Carol e Morgan para garantirem a sobrevivência do Rei Ezekiel, que num ato heróico, consegue salvar todos os moradores da sua comunidade e acaba capturado. Carol não se renderia facilmente e Morgan ficou escondido nas sombras esperando…

O ponto alto ficou mesmo para a sequência em que Negan e Rick trocam socos e chutes – esperava ver Rick ficando seriamente machucado no confronto, diga-se de passagem. Quem sabe perdendo uma mão ou ficando manco, mas não foi o que aconteceu e o nosso herói consegue fugir sem grandes dificuldades. Algo meio sem sentido, considerando que Negan queria a sua vingança e poderia ter ido atrás de Rick.

Veredicto

The Walking Dead s08e08 encerra essa metade da temporada forçando um clima épico que não convence. A utilização de um tema comovente, com closes nos rostos dos protagonistas ficou apenas brega. Poderia ser pior, óbvio, mas estou feliz de ter que reclamar desse detalhe ao invés de bater nas mesmas teclas criticando o roteiro, direção e rumo da série.

Não foi nem de longe um episódio épico e só será lembrado pela revelação da mordida nas costelas de Carl. É o suficiente para criar toda uma expectativa para o que virá a partir de 2018…e eu estarei ansioso contando as horas.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.