Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Review: The Walking Dead S07E08 – Hearts Still Beating

JUSTO NO MOMENTO MAIS IMPORTANTE DA TEMPORADA, não consegui assistir ao episódio e manter a nossa fama de review mais rápido disponível online. Uma pena, mas o show do Garbage mereceu o sacrifício de perder o The Walking Dead s07e08 – “Hearts Still Beating”, último episódio da primeira metade da sétima temporada da nossa série favorita de zumbis.

A midseason finale coroou esse sétimo ano com um nível alto de qualidade. Estou acostumado a conversar com amigos que reclamam que absolutamente nada acontece, que os personagens são caricatos, que os roteiristas são idiotas que tentam enrolar o público, mas só consigo ver um episódio desses como uma maneira de mostrar para essas pessoas que não é bem assim. Longe de ser perfeita, The Walking Dead nos conquista pelo nosso relacionamento quase íntimo com os sobreviventes. Isso é o que mantém o meu interesse, pelo menos.

“Hearts Still Beating” posiciona as peças para um retorno triunfal no ano que vem. Muita coisa aconteceu, inclusive um misterioso stalker seguindo Rick e Aaron e depois observando Alexandria na cena pós-créditos – o que é um cliffhanger perfeitamente aceitável, diga-se de passagem. Tivemos a violenta morte do Spencer (que me fez rir, sorry!) e o inesperado assassinato da pobre coitada Olivia. Uma prova de que TWD não está pra brincadeira e vai continuar matando até enxugar o excesso de personagens…

- Advertisement -

Carol reapareceu para mostrar firmeza em sua decisão de não lutar mais, embora desconheça a morte de Abraham e Glenn. Morgan também se mostrou contrário a qualquer combate. No entanto, estou otimista para imaginar que a dupla mude de ideia a partir do momento em que o Reino cruze o caminho de Hilltop e Alexandria.

Aliás, meio conveniente que todas as comunidades tenham decidido atacar Negan ao mesmo tempo, né? O Reino poderia ter demonstrado essa intenção mais cedo ao invés dos produtores decidirem que seria uma ótima ideia que tudo acontecesse de repente. Isso acaba sendo um defeito no roteiro da série, mas ainda torço para que os responsáveis acertem na maneira de reunir as lideranças das comunidades para planejarem a Guerra Total.

A melhor cena do episódio ficou por conta de Daryl entregando a velha arma de guerra nas mãos de Rick. Por mais óbvio que seja, não deixa de ser emocionante a sensação de que Rick está novamente “armado” e motivado para combater o seu inimigo. Receber a arma de Daryl é outra coisa arrepiante, especialmente quando lembramos de tudo que o personagem passou nesse sétimo ano.

Ainda assim não me pareceu tão natural o comportamento de Rick e a sua mudança. O espancamento de Aaron pode ter feito com que ele se lembrasse do primeiro encontro com Negan, mas a impressão inicial é que foi tudo muito brusco. Posso estar enganado e uma revisão completa da temporada será necessária para encontrar as pistas necessárias para que o nosso herói tenha optado por combater Negan de vez.

“Hearts Still Beating” é o terceiro melhor episódio desta temporada e sustenta bem a tensão criada semana passada. Triste é pensar que teremos que aguardar até o dia 12 de fevereiro de 2017 para descobrir a reação de Negan diante o sumiço de Daryl…

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.