Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Review: Westworld s01e06 – “The Adversary”

Começamos a segunda metade da temporada com Maeve acordando em sua cama, uma referência aos episódios que mostravam a narrativa de Dolores. Chegando ao bordel, a prostituta leva um visitante para o quarto e o incita a agir com mais violência, com o propósito de ser estrangulada e poder voltar ao estaleiro.

Bernard e Elsie (Shannon Woodward) estão debatendo sobre uma peça “espiã” encontrada no antebraço de um anfitrião. Para entender melhor de onde ela veio, o chefe de operações desce ao subterrâneo e entra no sistema de rastreamento do parque, onde descobre anfitriões não registrados. Eis as consequências que as atualizações trouxeram.

Próximo ao cemitério cinematográfico por onde Dolores e William haviam passado, rumo ao vilarejo “Pariah”, vemos Teddy explanando ao Homem de Preto sobre o labirinto. O cowboy conta que ele foi feito por um homem que, após morrer e reviver muitas vezes, voltou para matar seus inimigos pois não aguentava mais ter que lutar contra eles. Em seguida, dois carroceiros os avisam que o caminho está interditado. O mocinho diz conhecer um caminho traiçoeiro para chegar até o labirinto e fará de tudo para encontrar Dolores. O que o amor não faz, né?

- Advertisement -

De volta ao laboratório, Lutz (Leonardo Nam) está explicando à Maeve a diferença entre os humanos e andróides. O “açougueiro” parece deslumbrado com a anfitriã, talvez por ela estar nua, a ponto de contar-lhe segredos do tipo: ela ser apenas uma personagem criada pelos humanos e controlada por eles. A prostituta se mostra incrédula dizendo que ninguém pode mudar seus pensamentos, mas o rapaz mostra os registros de fala, provando o contrário para ela. Com isso, o sistema da androide entra em conflito, travando-a completamente.

Theresa recebe Bernard em sua sala e frisa que o relacionamento entre eles está acabado. Com o argumento de que Dr. Ford já sabe e que o Conselho irá questionar sua conduta como líder de operações, ela prefere por um fim no romance.

Voltando ao questionamento da análise do episódio anterior. Este picotamento é realmente necessário? Cenas de 1 minuto de duração, poucas falas e fuga do enredo central. São dois personagens importantes mas em um cena com um único objetivo: deixar o espectador louco. Enfim, coisas de HBO. Sigamos.

Maeve agora com o sistema restaurado consegue convencer Lutz a levá-la para os andares superiores. Subindo pelas escadas-rolantes, vemos como são feitos os animais do parque, os personagens, como eles são treinados dentro de suas narrativas. Enfim vemos o quão enorme é Westworld. Porém, Maeve, ao olhar um vídeo promocional do parque, descobre que seus sonhos fazem apenas parte de sua versão anterior, antes de ser a cafetina do Mariposa.

Sylvester (Ptolomeu Slocum) entra no laboratório e questiona o “açougueiro” dizendo que ele está obcecado pela androide e que irá contar tudo ao Conselho. Este é um dos auges do episódio: Maeve se levanta da mesa e, com um bisturi, ameaça cortar e estripar o operário se ele contar algo, diz que foi programada para saber o que as pessoas querem. Parece que Lutz tem uma grande aliada a partir de agora.

Theresa vai à beira da piscina para pedir ajuda de Sizemore quanto às narrativas distorcidas. O roteirista diz que isso é culpa do Dr. Ford e que, por isso, seus roteiros não tiveram sucesso. Ele ameaça se demitir, mas ela o confronta dizendo que quando o Conselho derrubar o mentor de Westworld, irão procurar outro, mas não será numa área de lazer. Este é outro picotamento, mas bem mais relevante, deixando clara a vontade da diretora em derrubar Ford.

No caminho para o labirinto, Teddy e o Homem de Preto se disfarçam para passar por um exército local. Mesmo disfarçado, o cowboy é reconhecido, o que inicia um pequeno bang bang. Após serem capturados e amarrados, o mocinho se lembra de sua antiga versão quando dizimou o mesmo exército. Sabendo que os soldados irão persegui-los, Flood os ataca com uma metralhadora (cena que todos esperavam há alguns episódios).

Bernard vai ao setor 17 para descobrir o que são os anfitriões sem registro. Ao entrar em uma casa ele se depara com uma família: pai, mãe e dois garotos, um deles é o mesmo que buscou água para o Homem de Preto no quinto episódio. O diretor acredita que o pai seja Arnold, mas logo é atacado por ele. Nem com comandos de sistema o androide é parado, apenas por Dr. Ford.

Em seguida, respostas para perguntas recorrentes. O doutor conta a Bernard que aqueles são seus pais, seu irmão e o garoto que sempre aparece é ele mesmo. Explica que Arnold os recriou inspirado numa lembrança de infância de Robert. Até o cachorro da família foi recriado. O diretor de criação se mostra preocupado com anfitriões sem registro e Ford diz para ficar tranquilo pois eles estão isolados há muito tempo e só respondem às suas ordens.

Elsie vai à um teatro abandonado procurar o transmissor das vozes que ecoam nos pensamentos de alguns anfitriões como Dolores. Ela encontra e liga para Bernard dizendo que há um grande adversário que está roubando dados em Westworld: Theresa. O problema é que a diretora estava justamente com Lowe naquele momento, conversando sobre as anomalias encontradas no setor 17. Convenhamos, é muita teoria, intriga e suspense nessa série, pessoal!

A programadora descobre que, com essas alterações, os anfitriões poderão machucá-los e até mentir. Ela sugere que o antigo sócio de Westworld está por trás disso. E ela está certa. Dr. Ford analisa o comportamento do garoto (ele criança) em sua sala, depois de ter visto o cachorro da família morto. A princípio, o jovem mente, dizendo que apenas achou o animal daquele jeito, mas depois confessa que a voz de Arnold mandou ele matar Jack para “ajudá-lo a não machucar mais ninguém”.

No teatro, Elsie ouve um barulho vindo do escuro e vai ver quem está ali, quando é capturada (típico de filmes de suspense). No laboratório, Sylvester e Lust descobrem que alguém, sem login, vem elevando os atributos de Maeve e a cafetina, com ar soberano, ordena que elevem sua inteligência ao nível máximo. Resumindo, Arnold está vindo com tudo para retomar o parque para si, controlando tudo o que foi criado por ele.

Por fim, fomos apresentados a uma nova personagem Charlotte Hale (Tessa Thompson), nova diretora executiva do Conselho, por quem Sizemore se sente atraído rapidamente. Não vimos Dolores nem William neste episódio, pois o foco era mais na parte funcional do parque que no enredo central. Devem voltar no próximo juntamente com a seguintes questões: veremos Arnold em carne e osso? Onde ele quer chegar com todas essas alterações? Dr. Ford conseguirá reverter todas essas mudanças? Veremos.

Comentários