Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Review: Westworld s01e08 – “Trace Decay”

Cada vez que o piano do Mariposa toca, nos aproximamos mais do grande vilão Wyatt. Aliás, neste episódio, podemos ouvir a sombria “House of the Rising Sun”, da banda The Animals. Esta canção também já foi executada na série “Sons of Anarchy. Vamos às considerações.

Traços entre Arnold e os anfitriões

Bernard é o grande capanga de Dr Ford. Descobrimos que ele é o responsável por matar Elsie na cena do teatro abandonado, antes de matar Theresa. Duas claras queimas de arquivo.

- Advertisement -

Em ataque de fúria, Bernard disse que não iria mais ajudar Dr. Ford, ao contrário, iria destruir o parque. Sem se espantar com a atitude, o criador diz que Arnold também tentou impedi-lo. Em outro momento, o anfitrião questionou sobre a diferença da dor humana para a de um androide e o doutor respondeu que o antigo sócio também não entendia. Por ser criador de vários personagens, o parceiro deveria entender, ao invés de ter reações semelhantes às virtuais.

Talvez Arnold seja um anfitrião. Não, esta não é mais uma das dezenas de teorias mirabolantes das redes sociais, apenas uma possibilidade. E se ele for um androide muito poderoso, capaz de coagir e comandar outros de sua espécie? Maeve, por exemplo, começou a criar um exército com o objetivo de fugir de Westworld, mas, ao final, foi apanhada pelos funcionários do parque. Como ela fez isso? Falando, sugerindo coisas aos androides à sua volta. Aliás, teremos uma grande revolução em Westworld se os planos dela funcionarem.

Vimos em Maeve que o traço mais forte que une androides e humanos é a dor. Seja física ou mental, tem a capacidade de nos marcar para sempre. Com os anfitriões não é diferente. A cafetina sempre consegue lembrar muito bem de quando ela era uma camponesa e o Homem de Preto a esfaqueou e atirou contra sua filha à queima roupa. Muito sofrimento. O que Dr. Ford fez à respeito? Apagou suas memórias e colocou uma música de piano de fundo para ela ouvir. Igual as atendentes de telemarketing fazem conosco.

Falando em teoria, não há nenhuma até agora que assegure a verdadeira identidade do Homem de Preto. Tudo bem, ele contou uma história ao Teddy. Mas não tem como confiarmos, apenas esperar que a máscara dele caia.

A voz de Arnold está cada vez mais presente nos pensamentos de Dolores. A mocinha retomou lembranças bem detalhadas de um antigo cenário com uma capela ao fundo. É como se seu sistema estivesse em conflito entre o passado e o presente. Como tudo indica, essas variações em sua narrativa ocorrem porque ela foi programada pelo sócio do parque para retomar o antigo plano do sócio de Westworld: tentar destruir o parque. Dr. Foda (desculpem o trocadilho infame, mas ele é) não deve permitir, como sempre.

Logan surge em um bando e diz à Dolores e William que eles estão encrencados. O cunhado está mais tão amigável com antes e, pelo jeito, não é só por ter sido deixado para trás. É como se tivesse passado por uma lavagem cerebral ou reprogramação. Ops, seria ele mais um anfitrião? Alguém é realmente de carne e osso em Westworld? Chega mais, nono episódio!

Comentários