De Volta Para o Futuro: Depois da Trilogia

De Volta Para o Futuro IV - logo

DE VOLTA PARA O FUTURO – PARTE IV? Pode esquecer. Os criadores da série já declararam, em diversas ocasiões, que uma nova sequência – ou, Great Scott!, um remake – estão fora de cogitação. Até Tom Wilson, eterno Biff Tannen, já cantou em sua ótima Question Song: “Back to the Future IV? Not happening!”, enquanto o diretor Robert Zemeckis chegou a dizer: “Eu não acho que deveria haver uma quarta parte pra nada. Três é um número dramático. Quatro é chato”. Depois de infames “partes 4” como Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, quem é que pode discordar?

Isso, claro, não impediu os fãs de passarem os últimos 25 anos imaginando como estariam Marty McFly, Doc Brown e companhia depois de De Volta Para o Futuro III. Muitos foram além e botaram a mão na massa. Um cara chamado Mike Nichols (não confundir com o diretor de A Primeira Noite de Um Homem!) escreveu roteiros completos para as partes IV, V e VI, mandando os personagens para anos diversos, incluindo 2115. Outro fã, Luke Palmer, criou um média-metragem de 35 minutos que coloca Marty Jr. novamente contra Griff Tannen e tem efeitos especiais precários, mas boas intenções (juntar dinheiro para combater a doença de Parkinson). E o site Film School Rejects imaginou as notícias que seriam publicadas em sites de cinema caso De Volta Para o Futuro IV fosse realmente oficializado (com Chloe Moretz como a filha de Marty!).

Michael J Fox e Christopher Lloyd

Mas a verdade é que já tivemos, sim, várias continuações oficiais de De Volta Para o Futuro, em mídias diversas. Todas contaram com a participação de um ou mais atores da trilogia original, mas seguindo cronologias bem distintas. Nenhuma delas é considerada canônica – para todos os efeitos, só o que está nos filmes é que vale –, mas nem por isso deixam de ser bastante divertidas para saciar a curiosidade dos fãs. Vamos a elas:


A série animada

De Volta Para o Futuro - série animada - família Brown

Exibido diariamente na saudosa TV Colosso lá pelos idos de 1994, Back to the Future: The Animated Series durou duas temporadas, 26 episódios e era um barato para qualquer criança aficcionada por De Volta Para o Futuro.

O “presente” da trama é 1991, seis anos após os eventos de De Volta Para o Futuro III. Marty agora está na faculdade (e ainda namorando Jennifer), enquanto Doc Brown se mudou para os anos 1990 com a família toda – a esposa Clara, os filhos Júlio e Verne e o cachorro Einstein (que aqui faz jus ao nome de gênio e consegue até dirigir o DeLorean). Alguns atores dos filmes dublam seus próprios personagens, como Tom Wilson (Biff), Mary Steenburgen (Clara) e James Tolkan (Strickland), mas mesmo as vozes feitas por atores diferentes são bem semelhantes às originais.

A locomotiva steampunk criada pelo Doutor é usada a torto e a direito, e o próprio DeLorean, destruído no final do terceiro filme, reaparece novo em folha e todo tunado: agora ele pode ser ativado por comando de voz, converter-se numa limusine e dobrar-se todo pra virar uma maleta compacta, mas extremamente pesada. Mas o mais importante: ele não apenas viaja só no tempo, como pode se “teletransportar” para qualquer localização digitada nos circuitos do tempo – ampliando as possibilidades da trama para lugares como a Roma antiga e a Inglaterra medieval.

Enquanto os filmes eram mais centrados na família McFly, aqui são os Brown que comandam a maioria dos episódios, principalmente as crianças, uma duplinha da pesada aprontando altas confusões através do continuum espaço-tempo. E dá-lhe confusões: eles impedem a extinção dos dinossauros, alteram o curso de uma batalha da Guerra Civil Americana e colocam seus pais em apuros ao presenteá-los com um cruzeiro espacial em 2091. E, claro: em qualquer era ou lugar, lá está um antepassado ou descendente da família Tannen, incluindo Bifficus no Império Romano, Lord Biffingham na Idade Média e Ziff (trineto de Biff) no futuro distante.

De Volta Para o Futuro - Marty McFly e dinossauro

O tom da série é muito mais infantil do que os filmes e segue as leis que regem os cartuns (um objeto pesado, por exempo, cai na cabeça de alguém e sequer causa uma concussão). Mas se hoje o desenho pode não apetecer tanto aos fãs já adultos da trilogia, assistir a ele na TV Colosso depois da aula, quando se tinha nove ou dez anos, era sempre bem divertido. E todo episódio ainda terminava com o próprio Christopher Lloyd, em pessoa, ensinando experimentos científicos para a molecada: coisas como um balão de ar quente feito com um secador de cabelo e uma bateria construída com limões.

E pra quem quer relembrar como era o desenho e/ou não tem idade para ter acompanhado a TV Colosso, boas notícias: Back to the Future: The Animated Series está sendo relançada agora em outubro, pela primeira vez em DVD.


O jogo de computador

Back to the Future game - Marty McFly

Entre 2010 e 2011, a Telltale Games lançou um adventure game em 5 episódios onde você controla Marty McFly e avança a trama descobrindo pistas, usando objetos coletados e conversando com outros personagens. Na prática, o jogo funciona como um De Volta Para o Futuro IV, numa continuação direta do terceiro filme – mas que diverge totalmente da linha do tempo do desenho animado.

A trama tem início em 1986. Doc Brown está sumido há meses e seus pertences estão sendo leiloados pelo Estado. Mas quando um DeLorean reconstruído surge do nada trazendo Einstein (o cão), Marty percebe que seu velho amigo está perdido em algum lugar do passado e parte, mais uma vez, para resgatá-lo.

Suas aventuras o levam primeiro à Hill Valley de 1931 durante a Lei Seca, quando gângsters mantinham bares ilegais – incluindo Kid Tannen, futuro pai de Biff. Marty também conhece seu avô Arthur McFly, o jovem Emmett Brown e seu pai (o linha-dura juiz Brown) e Edna Strickland, irmã do careca diretor da escola, que se torna uma personagem bem importante. O Doc Brown do futuro, quando no passado, usa o pseudônimo “Carl Sagan”, enquanto Marty – depois de “Calvin Klein” e “Clint Eastwood” nos filmes – alterna entre nomes como “Sonny Crockett” e “Michael Corleone”.

Back to the Future game - Doc Brown jovem

Conforme a história se desenrola, múltiplas versões de cada um dos personagens vão se amontoando em diversas linhas temporais, num roteiro intrincado co-escrito por Bob Gale, co-criador dos filmes. Temos um novo futuro alternativo: se em De Volta Para o Futuro II vimos uma Hill Valley caótica e decadente controlada por Biff, aqui descobrimos como seria a cidade se Doc Brown estivesse no poder – basta dizer que, guiado por sua controladora esposa, sua versão de 1986, o ano, não está muito distante de 1984, o livro.

Back to the Future: The Game está disponível para várias plataformas, incluindo PC, Mac, PlayStation e Xbox. Mas se você não quiser jogar pra descobrir o que acontece, pode assistir ao vídeo abaixo, que reúne todas as cenas. A animação não é um primor (principalmente as expressões faciais) e o vídeo tem 6h30 de duração, mas a história é interessante, as vozes são ótimas (inclusive, Christopher Lloyd dubla Doc Brown mais uma vez e Michael J. Fox faz até mesmo uma ponta na cena final), e, afinal de contas, não dá pra ficar muito mais perto de De Volta Para o Futuro IV do que isso.


A atração da Universal

Back to the Future Ride - Hill Valley 2015

Quem visitou os parques temáticos da Universal em Orlando ou Hollywood entre 1991 e 2007 teve a sorte de poder viajar no tempo dentro de um DeLorean, numa das atrações mais legais do parque inteiro.

Na trama da atração, Doc Brown fundou o Institute of Future Technology, dedicado às suas malucas invenções futurísticas, incluindo um novo DeLorean de 8 passageiros onde os visitantes se acomodam – ainda bem que ele transformou o carro numa minivan, porque se tivesse apenas dois lugares, a quilométrica fila de espera para a atração seria ainda mais demorada.

Acontece que Biff, sempre ele, dá um jeito de roubar um outro DeLorean e sobra pra nós persegui-lo através do tempo. Passeamos numa corrida maluca pela Hill Valley em 2015 (com “Tubarão 19” nos cinemas e tudo mais), na Era do Gelo (1 milhão de anos no passado) e no período Cretáceo (com dinossauros meio toscos e godzillianos, com efeitos especiais pré-Jurassic Park), tudo isso projetado numa imensa tela IMAX.

Become a part of the most intense and enveloping multi-sensory motion picture experience possible on “Back To The Future...The Ride” at Universal Studios Florida. Time travelers cascade and careen through the past, present and future in the most amibitious ride ever engineered.

Em 2007, Back to the Future: The Ride foi substituída nos parques de Orlando e Hollywood pela atração dos Simpsons – um vídeo na fila de espera, inclusive, mostra um Doc Brown simpsonizado vendendo seu instituto para o palhaço Krusty. Os fãs de De Volta Para o Futuro só têm agora duas opções para conferir a atração: assistir ao vídeo abaixo, que traz a história completa (ainda que sem os solavancos e efeitos sonoros que tornavam a experiência tão imersiva e divertida), ou visitar o parque da Universal em Osaka, no Japão, onde a atração continua firme e forte.


Spin City e Michael J. Fox Show

De 1996 a 2000, Michael J. Fox estrelou o seriado Spin City, onde intepretava o vice-prefeito da cidade-título, Mike Flaherty. Em 1999, um episódio da terceira temporada trouxe Christopher Lloyd numa participação especialíssima, contracenando com Fox em diálogos repletos de referências ao tempo, ao passado e ao futuro.

O nome do episódio? “Back to the Future IV: Judgement Day”.

Quinze anos depois, Fox e Lloyd se reuniram novamente em The Michael J. Fox Show, série que marcou o retorno de Fox à TV. A série acabou sendo cancelada e o episódio em questão (“Health”) não chegou a ir ao ar nos Estados Unidos, mas passou na Austrália e caiu nos YouTubes da vida. Logo na primeira cena os dois já se encontram e Lloyd imediatamente deixa escapar um bordão docbrowniano: “Se meus cálculos estiverem corretos…


Microsoft, Nike, Velho Oeste e propagandas argentinas

Christopher Lloyd já revisitou seu personagem mais famoso tantas vezes que fica difícil até contabilizar. Além de todos os momentos citados acima, ele também ganhou uns trocados encarnando Doc Brown em um vídeo institucional da Microsoft, um comercial da DirecTV, uma propaganda do tênis da Nike inspirado no modelo de De Volta Para o Futuro II, uma ponta na comédia-faroeste Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola e, talvez no caso mais avulso, em uma campanha para uma loja de eletrônicos argentina:

Michael J. Fox, em comparação, só voltou a viver Marty McFly uma vez mais, em uma recriação do teaser original de De Volta Para o Futuro, em um anúncio para o Scream Awards de 2010:


Um novo curta: Doc Brown Saves the World

Quando este artigo estava quase pronto, fomos surpreendidos com a notícia de que um novo curta-metragem oficial, Doc Brown Saves the World, fará parte do novo box de De Volta Para o Futuro a ser lançado este mês.

O teaser acima, lançado pela Universal no final de setembro, traz um Doc Brown visivelmente envelhecido (afinal, Christopher Lloyd já está com quase 77) saindo do DeLorean e falando com a câmera dentro de um laboratório. Mas não vá esperando nada muito além. O curta de 10 minutos é basicamente isso, Christopher Lloyd dentro de um estúdio mostrando alguns objetos famosos de De Volta Para o Futuro II e culpando a Internet das Coisas pelo fim do mundo daqui a algumas décadas. Tem cara de algo feito às pressas pra colocarem no box, por isso não vá com a expectativa de conferir um mini-De Volta Para o Futuro IV. O trailer falso de Tubarão 19, extra inédito disponível no mesmo disco (e no YouTube), diverte bem mais.

Seja em lançamentos oficiais, seja na imaginação dos fãs, o fato é que 30 anos já se passaram e De Volta Para o Futuro não dá sinais de desaparecer tão cedo. Só esperamos que Marty McFly não apareça de supetão voltando de 2045 com um “Movies Almanac” onde, digamos, um reboot da série com Zac Efron no papel de Marty se torne uma realidade. Aí é melhor que alguém construa um capacitor de fluxo para evitar a tragédia.

Lucas Paio

Lucas Paio é mineiro de Belo Horizonte, passou quatro anos na China e desde 2013 vive em Berlim, onde passa o tempo livre no cinema (os poucos que exibem filmes sem dublagem em alemão) e conhecendo a cerveja, digo, a cultura local.