Segunda edição do Primavera Literária chega a BH

Apostando na bibliodiversidade, uma das maiores e mais bem sucedidas iniciativas em favor do livro e da leitura do país, a Primavera Literária reúne 58 editoras independentes em sua segunda edição em Belo Horizonte. Com programação inteiramente gratuita, promove, além da feira de livros, seminário voltado para educadores e um palco de contação de histórias, no Circuito Liberdade, de 05 a 09 de outubro, das 9h às 21h. Entre os objetivos da feira estão o acesso do leitor à publicações diversificadas e o fortalecimento das empresas editoriais independentes. A Primavera Literária é uma ação de fomento à bibliodiversidade e parte do princípio que o livro, como bem cultural, faz parte de uma economia específica e não deve ser submetido exclusivamente às leis do mercado.

Com desconto de até 50% sobre o preço de capa e títulos pouco encontrados nas grandes redes de livrarias, os leitores terão acesso à publicações de editoras de diversas linhas editoriais. Há editoras cujos títulos são referência, em todo o país, em áreas como educação, cultura popular, cultura afro-brasileira, história do Brasil, sociologia, literatura adulta e infantil, crítica literária, etc. O projeto é realizado anualmente, desde 2000, no Rio de Janeiro pela LIBRE – Liga Brasileira de Editoras, maior associação de editores independentes do mundo, com 132 afiliados. Patrocinado pelo BNDES, pelo segundo ano o evento acontece em formato de circuito ao incluir as cidades de Belo Horizonte, São Paulo e Salvador.

14520618_1243307849076672_9093119280640778839_n

Neste ano, a Primavera Literária tem parceria com o Circuito Liberdade, gerido pelo Iepha-MG, que promoverá no mesmo período o Circuito das Letras, com programação, em todos os espaços que integram o conjunto cultural, pensada a partir do conceito de literatura expandida, que conecta diferentes atividades ao livro, à literatura e à leitura. Entre as editoras participantes, encontram-se alguns dos melhores selos editoriais do país. Premiadas, como Alameda, Pallas e Pallas Mini, vencedoras do último prêmio Jabuti e a infantil Jujuba, vencedora do Jabuti 2014 . Há também as especializadas, como a mineira Mazza Edições, que está há mais de 30 anos no mercado e é dirigida à cultura afro-brasileira. Destaca-se ainda a Metanóia, com publicações voltadas para a diversidade sexual e a inclusão social e editoras voltadas para publicações de arte como Cobogó, Pinakotheke e C/Arte. As mineiras Aletria, Autêntica, Miguilim, Fino Traço, Relicário e Uniduni são outros destaques da Primavera Literária.

Há ainda: Aleph, Apicuri, Armazém da Cultura, Artes & Ofícios, Azougue, Babilonia Cultura Editorial, Bambolê, Boitempo, Carochinha, Claridade, Cobogó, Contraponto, Cuca Fresca, DCL, Duna Dueto, Draco, Editora 34, Estação Liberdade, Évora, Giz, Gryphus, Jaguatirica, Livro Falante, Mar de Ideias, Memória Visual, Mourthé, Musa, Nova Alexandria, Odysseus, Oficina Raquel, Panda, Piraporiando, Quatro Cantos, Revan, Roça Nova, Saraiva, Solisluna, Sundermann, Uniduni, Vermelho Marinho, Viajante do Tempo, Vieira & Lent e autores mineiros independentes.

Serviço:
PRIMAVERA LITERÁRIA – Feira de livros
Data: 05 a 09 de outubro de 2016
Horário: das 9h às 21h
Local: Conjunto Cultural Praça da Liberdade
Entrada Gratuita
Informações:
Assessoria de imprensa: 31 97503-7468

Programação:

SEMINÁRIO: A FORMAÇÃO DO LEITOR LITERÁRIO
Local: Auditório Biblioteca Pública Luiz de Bessa
Informações: Seminário gratuito destinado a educadores, bibliotecários, mediadores de leitura e interessados sobre o tema. 230 vagas. A senha será distribuída com 30 minutos de antecedência.

QUARTA, 05/10 – 9h às 12

9h às 10h30 – Para sempre Emília: a descoberta da literatura na infância, com Rosana Mont’Alverne
A imaginação nos permite viagens para mundos distantes, onde tudo é possível: galinhas botam ovos de ouro, gatos usam botas e animais falam, cantam e tocam instrumentos musicais. Esse legado nos acompanha pela vida afora, desde a primeira infância, esse tempo tão especial, onde descobrimos o poder da palavra narrada em voz alta e também aquela que vem impressa nos livros. A apreciação do livro e da literatura começa quando uma voz afetuosa se dedica a abrir um livro e dizer: era uma vez…
Rosana Mont’Alverne é mestre em educação, editora da Aletria, autor de literatura infantil, professora e contadora de histórias há 20 anos.

10h30 às 12h – As crianças e os livros, com Fabíola Farias
Por que ler para crianças tão pequenas? Se elas ainda não sabem ler, para que os livros? O contato com a cultura escrita desde a primeira infância proporciona às crianças uma compreensão ampliada da linguagem, fazendo com que esta extrapole seu caráter exclusivamente comunicacional. A partir da leitura de uma narrativa literária, da exploração das ilustrações e formatos de um livro, da recitação de uma parlenda, da brincadeira com um trava-línguas ou de uma cantiga de roda ou de ninar, as crianças se apropriam da língua em toda a sua riqueza: polissemia, ritmo, cadência, sonoridade. A presença e o manuseio de livros permite e estimula a aproximação e o entendimento deste objeto da cultura, além da possibilidade de se constituir como um elo entre familiares, especialmente entre pais, avós e filhos.
Fabíola Farias é graduada em Letras, mestre e doutoranda em Ciência da Informação pela UFMG. É leitora-votante da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, membro do Movimento por um Brasil literário e coordenadora da rede de bibliotecas e projetos para a promoção da leitura da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte.

QUINTA, 06/10 – 9h às 12h

9h às 10h30 – Leitura da imagem nos livros ilustrados, com Anabella López
A ilustração nos livros para crianças é literatura? Sabemos que literatura é narrativa e que ilustração é linguagem. Por meio de uma gramática pictórica, Anabella analisa a relação entre as linguagens escrita e visual nos livros ilustrados e seus usos como instrumento na leitura de imagens. Com isso, podemos melhor compreender como a ilustração constrói uma narrativa e como ela reflete na lógica interna e interpretação de cada livro.
Anabella é autora e ilustradora argentina radicada em Pernambuco. Ganhou o Prêmio Jabuti 2015 na categoria Ilustração de livro infantil e juvenil com o livro A força da palmeira publicado pela Pallas Mini.

10h30 às 12h – Formação do leitor literário: desafios e possibilidades, com Neusa Sorrenti.
Uma reflexão sobre os desafios enfrentados pelos educadores na formação do leitor literário na contemporaneidade e proposição de alternativas que apontem possíveis soluções.
Neusa Sorrenti é licenciada em Letras pela PUC-MG, é bacharel em Biblioteconomia pela UFMG, pós-graduada, com especialização em Literatura Infantil e Juvenil, pela PUC-MG e mestra em Literaturas de Língua Portuguesa pela mesma instituição. Também atua como professora de Literatura Infantil e Juvenil e é autora de diversos livros.

PROGRAMAÇÃO PALCO DE HISTÓRIAS – PRIMAVERA LITERÁRIA


Local: Praça Carlos Drummond de Andrade (entre o Memorial Minas Gerais e o Museu de Minas e Metal)
CURADORIA: Rosana Mont’Alverne

QUARTA, 05/10
10H Alessandra Visentin apresenta o espetáculo Pelos reinos do mundo
16H Rosana Mont’Alverne apresenta o espetáculo Era uma vez para sempre

QUINTA, 06/10
10H Marcelino Xibil Ramos apresenta o espetáculo O Sertão que Habita em Mim: Uma Prosa de Cordel e Poesia Popular
16H Rosilda Figueiredo apresenta o espetáculo Histórias de enCantar

SEXTA, 07/10
10H Cia Ana Joana apresenta o espetáculo Um bicho me contou
16H Pierre André apresenta o espetáculo Pedal Literário

SÁBADO, 08/10
10H Jhê Delacroix apresenta o espetáculo Cantarolando despropósito: Manoel de Barros para crianças
14H Beatriz Myrrha apresenta o espetáculo Histórias na ponta da língua
15H Sandra Lane e Vilmar de Oliveira apresenta o espetáculo Histórias para sonhar um mundo novo

DOMINGO, 09/10
10H Aline Cântia e Chicó do Céu apresentam o espetáculo Contos de Lá nos Cantos de Cá.
14H Cristina Barbosa apresenta o espetáculo Pé-Lá, Pé-Cá.
15H Cascão apresenta o espetáculo Cordéis dos Cafundó
fundó

Felipe Borba

Nasceu no Pará, cresceu no Maranhão e vive em Minas Gerais. Além de se considerar um explorador da natureza; Felipe é publicitário com especialização em Marketing Estratégico, é viciado em novas tecnologias, queria ser adotado pelo Neil Gaiman e tem mais livros do que dá conta de ler.