Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Relembre a carreira de Christopher Nolan

O cineasta responsável pela trilogia O Cavaleiro das Trevas e A Origem estreia seu novo trabalho, Interstellar, na próxima quinta-feira, dia 6. 

Relembre a carreira de Christopher Nolan

UMA DAS COISAS MAIS GOSTOSAS DO CINEMA DE BUTECO é a diversidade de opiniões entre a equipe. Portanto, encontrar um cineasta de gosto comum entre a maioria dos críticos que fazem parte do site é motivo de grande comemoração. Christopher Nolan faz parte desse seleto grupo, e não é a toa que temos críticas de todos os filmes que ele dirigiu até hoje. Desde Amnésia, o diretor chamou a atenção do público e da crítica especializada, mas foi com a ousada visão do Homem-Morcego que Nolan conquistou uma verdadeira legião de fãs e admiradores. Nada mais justo que fazer uma breve retrospectiva de sua carreira e iniciar a contagem regressiva para o lançamento de Interstellar, seu primeiro sci-fi.

- Advertisement -

Following (1998)

Lançado no final da década de noventa e ignorado até hoje pelas distribuidoras nacionais, o longa escrito, dirigido, filmado e editado por Nolan expõe o cotidiano de um jovem escritor (Jeremy Theobald) que segue pessoas aleatoriamente pelas ruas de Londres em busca de inspiração para seu trabalho.” – Clique aqui para ler a crítica completa

“O cara já começou com o pé direito com uma trama aparentemente simples, mas que guardava uma bela reviravolta, o que seria uma marca em sua carreira. Following, o primeiro filme de Christopher Nolan como diretor, já foi um belíssimo começo de carreira e o gabaritou para fazer aquele que seria o grande cartão de visitas do cineasta: Amnésia” (Marcelo Seabra)

Em Following, seu projeto de estreia, Nolan já brincava com uma narrativa não linear muito bem realizada durante a montagem” (Tullio Dias)

“Em pouco mais de uma hora, Christopher Nolan prova, em seu primeiro filme, que é um diretor que adora reviravoltas e surpreender o espectador, estando sempre um passo à frente. Excelente suspense noir.” (Dani Pacheco)

Amnésia (2000)

Relembre a carreira de Christopher Nolan - Amnésia

Em Amnésia, Christopher Nolan deixa o seu cartão de visitas para o grande público e dirige um filme complexo e capaz de travar a CPU mental dos espectadores mais distraídos. Ou seja, evite beber antes de assistir ao segundo longa-metragem do diretor de A Origem e da trilogia do Cavaleiro das Trevas.” – Clique aqui para ler a crítica completa.

“Em Amnésia, o título nacional para o ótimo Memento, Guy Pearce marcou o Cinema Noir como o desmemoriado que persegue o assassino de sua esposa.” (Marcelo Seabra)

Eu ia escrever algo muito foda sobre Memento mas já me esqueci” (Matheus Abade)

“Um dos melhores filmes de Christopher Nolan. Solucionar um crime na mente de um homem com perda de memória recente não é algo que qualquer diretor consegue fazer direito. É algo que Nolan faz.” (Dani Pacheco)

Insônia (2002)

Relembre a carreira de Christopher Nolan - Insônia

Em seu terceiro filme, Christopher Nolan se estabeleceu como um cineasta altamente habilidoso para lidar com o lugar que guarda alguns dos nossos maiores receios: a mente. Esse pode ser o seu maior trunfo. […] Se em 2002 Chris Nolan era um talento que despontava, mais de 10 anos, três Batmans, um Grande Truque e A Origem depois, ele conseguiu se manter relevante. Esse não é efeito exclusivo de sua maestria técnica. É a humanidade presente em seus personagens, mesmo nos cenários mais adversos, que fazem dele um dos grandes contadores de histórias de sua geração.” – Clique aqui para ler a crítica completa. 

“Nolan conseguiu transformar Robin Williams em um psicopata. Mais do que isso: um psicopata que deu uma verdadeira canseira no agente interpretado por Al Pacino. Assistir Insônia valeria a pena apenas por conta desse duelo, mas o filme oferece muito mais para o espectador” (Tullio Dias)

“O gênero policial foi premiado com Insônia, um estudo de personagem que mostra o que pode acontecer com um sujeito que é privado de sono. E ajuda muito ter Al Pacino em cena, além dos oscarizados Hillary Swank e Robin Williams, este como um surpreendente psicopata.” (Marcelo Seabra)

“”Me deixe dormir”. Como esquecer a última fala de Al Pacino nesse contagiante filme policial, que ainda deu a Robin Williams a chance de interpretar um psicopata assassino?” (Dani Pacheco)

Batman Begins (2005)

Batman Begins Cinema de Buteco

Claramente influenciado pelas melhores HQs do morcegovs (Dark Knight e Ano Um), Nolan entende a profundidade e transpõe para o filme o que seria na realidade o vigilante no mundo moderno, tomando a liberdade de mudar algumas coisas da HQ, mas sem comprometer” – Clique aqui para ler a crítica completa

“Chris Nolan salvou o legado do Batman nos cinemas e no processo revolucionou a relação entre a indústria dos quadrinhos e o cinema. Batman Begins abandona totalmente o clima carnavalesco das adaptações anteriores e provou para Hollywood que as HQs poderiam ser um verdadeiro tesouro inexplorado.  Disney/Marvel que o digam.” (Tullio Dias)

Após um tempo sendo maltratado pelo Cinema, Batman ganhou mais um filme de origem, muito bem fundamentado, que acabou transformando Nolan em uma espécie de padrinho dos heróis da DC levados à telona.” (Marcelo Seabra)

Batman Begins conseguiu uma proeza de que poucos super-heróis seriam capazes: apagar da mente dos espectadores os filmes carnavalescos de Joel Schumacher e devolver o Morcegão às sombras que o personagem merecia. Nolan fez o primeiro filme do Batman em que o herói é mais importante que seus antagonistas, investindo numa história de origem contada com calma e verossimilhança. E sem bat-mamilos.” (Lucas Paio)

O Grande Truque (2006)

O Grande Truque Cinema de Buteco
“Indispensável para qualquer pessoa que aprecie ilusionismo, O Grande Truque certamente será lembrado como um dos trabalhos mais marcantes da carreira de Christopher Nolan, Christian Bale, Scarlett Johansson e Hugh Jackman.” (Tullio Dias)

Entre a primeira e a segunda aventuras do trilogia do Homem-Morcego, o diretor criou, com o irmão e parceiro constante, o filme definitivo sobre mágica. Colocando frente a frente Christian “Batman” Bale e Hugh “Wolverine” Jackman, além de contar com Michael Caine, Scarlett Johansson e David Bowie, Nolan nos mostrou o que é a verdadeira mágica, mas tudo foi sacrificado na busca por vingança.” (Marcelo Seabra)

O Cavaleiro das Trevas (2008)

O Cavaleiro das Trevas Especial Christopher Nolan

Pode se dizer que Cavaleiro das Trevas é um mix do projeto Caos de Chuck Palahniuk em O Clube da Luta e os drugues de Stanley Kubrick em Laranja Mecânica.” – Clique aqui para ler a crítica completa

“Se “ótimo” já era um adjetivo que acompanhava o diretor, O Cavaleiro das Trevas veio para realizar os sonhos que muita gente nem sabia que tinha. O longa conseguiu apagar da memória de todos o icônico Coringa de Jack Nicholson e dar um Oscar, infelizmente póstumo, a Heath Ledger, algo até então inédito para uma adaptação de herói dos quadrinhos” (Marcelo Seabra)

“Eu chamaria o filme de Joker. Talvez o melhor vilão de todos os tempos, interpretado por um Heath Ledger que se tornou um ícone do cinema com sua interpretação perfeita do Coringa. Um Coringa que conquistou o mundo com suas teorias anarquistas e sarcasmo. Why so serious?” (Dani Pacheco)

A Origem (2010)

A Origem - Cinema de Buteco

A Origem fala basicamente sobre o poder das idéias. Da forma como elas podem transformar o modo de conhecer e de ser. Da forma como as idéias que temos se tornam concretas em ações, atitudes… A idéia de Christopher Nolan que deu origem à esse filme certamente não é das mais fáceis de assimilar, mas por isso mesmo foi criou o único filme capaz de reunir inteligência e entretenimento em 2011 (sem deixar de ser hollywoodiano).” – Clique aqui para ler a crítica completa

“Ainda me pergunto se aquele maldito peão parou de rodar. Ainda me pergunto se Cobb está sonhando. Ainda me pergunto várias coisas sobre A Origem. Todas essas questões reforçam a ideia de que as dúvidas e as discussões eternas (em que ninguém nunca poderá dar uma resposta conclusiva – exceto o próprio Nolan) são o grande legado deste filme espetacular.” (Tullio Dias)

Antes de finalizar a trilogia do Cavaleiro das Trevas, Nolan invadiu os sonhos de pessoas poderosas para roubar informações. Leonardo DiCaprio liderou um elenco fantástico em A Origem, outra trama muito bem elaborada, marca por viradas repentinas, que ajudou a cimentar a fama de genial do cineasta.” (Marcelo Seabra)

“Em A Origem, cujo roteiro foi trabalhado por mais de 10 anos, existe a perfeita metáfora do Cinema como um sonho, de concretizar uma ideia na tela da forma mais próxima possível de como ela está na mente. Desde sempre o Cinema foi a possibilidade de se construir o inconstruível, dizer o indizível, materializar o imaterializável. E com a ajuda dos efeitos especiais, o diretor leva a extremos essa possibilidade de mudar a ordem das coisas e perverter expectativas.” (Priscila Armani)

Entramos em um mundo onde é possível invadir os sonhos dos outros, descer vários níveis e plantar uma ideia na cabeça das pessoas. Ideia que pode ser a coisa certa a se fazer ou ser fatal. E o melhor: o fim fica a seu gosto.” (Dani Pacheco)

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012)

Especial Christopher Nolan Batman O Cavaleiro das Trevas Ressurge

“Em Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, a imagem de um Batman retornando da aposentadoria e inspirando uma nova geração remete muito aos quadrinhos de Miller. O Bruce Wayne deste filme ainda não é velho a ponto de andar de ônibus de graça, mas sua agilidade física é a de um senhor de idade. Christian Bale compõe um Wayne alquebrado, derrotado, decepcionado – é um herói que não tem nada de super, e provavelmente a melhor interpretação de Bale na trilogia” – ” (Lucas Paio)

“Seria injusto pedir por um filme que superasse O Cavaleiro das Trevas, mas mesmo enfrentando toda a pressão e dificuldades Nolan conseguiu encerrar a trilogia com chave de ouro.” (Tullio Dias)

O terceiro longa de Batman, O Cavaleiro das Trevas Ressurge, não atingiu as expectativas de muitos que manifestaram seu descontentamento. Talvez, porque os filmes anteriores tenham subido demais o padrão. Mas não se trata de algo ruim ou de poucas qualidades, é apenas inferior ao anterior, o que já era de se esperar. (Marcelo Seabra)

“Um fim surpreendente e emocionante, com uma trilha sonora impecável de Hans Zimmer. E, convenhamos, só Christopher Nolan para conseguir Anne Hathaway de Selina Kyle e Marion Cotillard de Talia Al Ghul, né?” (Dani Pacheco)

Interstellar (2014)

banner interstellar

Considerando a sinopse (“Um grupo de exploradores fazem uso de um recém-descoberto buraco de minhoca (portal que, em teoria, liga dois pontos do universo) para superar os limites da viagem espacial humana e vencer as grandes distâncias envolvidas em uma viagem interestelar.”), e a qualidade de todos os seus filmes até aqui, podemos supor que Interstellar tenha o potencial para ser o seu principal longa-metragem.

Vamos descobrir a resposta no dia 6 de novembro, quando a obra entrar em cartaz nos cinemas brasileiros.