Crítica: O Empréstimo

Quem nunca precisou ir ao banco para pedir um empréstimo para o gerente, com certeza já passou por uma experiência parecida: seja tentando convencer a mãe a comprar alguma coisa, ou àquele professor de que seu cachorro comeu sua lição de casa.

O genial texto de Jordi Galceran, traduzido e dirigido por Isser Korik, é divertido justamente porque propõe um absurdo mas totalmente relevante argumento de um cliente para conseguir um empréstimo negado de seu gerente. É inevitável para a platéia não se colocar no lugar do banqueiro e se perguntar: o que eu faria se estivesse no lugar dele? Daria o empréstimo ou não? E, apesar de um pouco longo, o texto nos segura exatamente por aí.

A afinada direção nos conduz por um jogo que vai além dos interesses e garantias do mundo corporativo bancário, e trabalha o jogo de poder de quem manda mais, de quem tem os contatos com o pessoal “lá de cima” e como rapidamente tudo pode se inverter quando adicionamos à mistura nossa vida pessoal, amorosa, nossas inseguranças e como se organiza o mundo em que vivemos.

Leonardo Miggiorin nos segura com a mão apertada conduzindo a trama sem tirar nenhuma mão do volante, como pede seu personagem, e trabalha em sintonia perfeita com André Mattos que nos ganha com sua comicidade e manhã e nos faz identificar facilmente em sua construção as figuras de poder que convivemos no dia a dia sem precisar apelar ao estereótipo.

O cenário, assim como o figurino, cumpre bem seu papel mas nos deixa com a sensação de que poderia ter ido além, ao passo que a iluminação, apesar de ainda simples, não precisaria ter ido tanto.

O Empréstimo segue em cartaz até 28 de maio no Teatro Folha e é uma sessão gostosa para ir a dois, com os amigos ou com os colegas do trabalho (a menos que você trabalhe em um banco :P)!

FICHA TÉCNICA
Texto – Jordi Galceran
Tradução e direção- Isser Korik
Elenco – André Mattos e Leonardo Miggiorin
Cenografia e figurinos – Paula de Paoli
Cenotécnico – Wagner José de Almeida
Serralheria – Kalango
Trilha sonora composta – Jair Oliveira
Criação gráfica – Lab 212
Fotografia – João Caldas
Equipe técnica – Jardim Cabine
Coordenação de produção – Isabel Gomez
Assistente de produção – Pedro Pó
Administração – Isabel Gomez  e Pedro Pó
Assistentes de direção – Ian Soffredini e Mariana São João
Iluminação – Isser Korik
Realização – Conteúdo Teatral

SERVIÇO
Até 28 de maio de 2017
Sextas, às 21h30
Sábados, às 20h00 e 22h00
Domingos, às 20h00
Duração: 80 minutos
Classificação Etária: 14 anos
Local: Teatro Folha (Avenida Higienópolis, 618 – Shopping Pátio Higienópolis – Higienópolis)

INGRESSOS
Setor 1: R$ 60,00 / R$ 30,00 (meia-entrada)
Setor 2: R$ 40,00 / R$ 20,00 (meia-entrada)

 

Leandro Galor

Leandro Galor é apaixonado pelo teatro desde que se conhece por gente. Se formou ator, mas também dirige, produz, ensina e o que mais precisar. Só não faz café porque não toma.