Review: Westworld s01e09 – “The Well-Tempered Clavier”

Já dizia o pensador “Ao escrever a história da sua vida, não deixe ninguém segurar a caneta” ou o teclado de controle de comportamento caso você esteja em Westworld. Mais. Se puder fazer escolhas, fique longe do Dr. Ford. Vamos à análise.

Rebelião da máquina

No início deste episódio, vimos como Maeve age agora com supremacia. Nem Bernard, que um dia já foi capaz de analisar e corrigir androides, consegue mais detê-la. Aliás, depois das descobertas do último episódio, o personagem perdeu toda a moral que tinha, pois vimos que não passava de um capataz de luxo do Dr. Ford. E para encarar essa agora super máquina, isso é muito pouco.

É como se a cafetina não caísse mais no velho truque de ilusionismo. Lowe tentou comandá-la e acabou comandado. Ela não gosta de mais desse negócio de transe, só de transa mesmo. Hector não me deixa mentir. A anfitriã lhe mostrou o cofre e selou o pacto com muito fogo, em todos os sentidos.

Ford explica

Já fiz trocadilho infame com o nome anteriormente, faço mais um. Dr. Ford seria trocadilho referencial ao Freud? Se não for, é uma grande coincidência já que entende tanto de sonhos, reações e comportamento humano aplicado em suas criações.

Bernard programou Clementine para atirar no criador do parque caso ele não cooperasse em lhe mostrar seu passado e verdadeira identidade. Em resposta, tomou essa aula de filosofia. “O piano não mata o pianista por não gostar da música”. Resumindo, por mais forte, valente e sagaz, um androide jamais se livraria do seu papel, do seu destino. O de Lowe chegou ao fim com um tiro na cabeça.

Afinal, Arnold está vivo ou morto? Se estiver morto, deve ter sido, de fato, alguém muito importante para Bernard ter sido criado em sua homenagem. Se estiver vivo, Dr. Ford deve saber e monitorar seus passos. Meu palpite sem olhar para as teorias é de que está vivo.

William de Preto

Esse William enganou direitinho, hein? Desde o premiado “As duas faces de um crime”, de 1996, um mocinho não era tão vilão assim. Uma mudança repentina e bem reveladora.

À noite, muito álcool e abraço no cunhado. Pela manhã, pedaço de androide para todo lado e ameaça à Logan. Agora já sabemos o nome do Homem de Preto. Só não o chame de Billy, ele fica nervosinho e você não quer ser a próxima vítima de seus ataques, quer?

Aliás, fica evidente que ele não entrou em Westworld apenas porque o marido da irmã o convidou. “Se fosse um lugar tão maravilhoso lá fora, por que ficam ansiosos pra vir pra cá?”, exclamou Dolores a ambos. Antes da mocinha fugir, vemos um trabalho impressionante do pessoal da maquiagem da série. Logan faz um grande corte na barriga da loira que descobre que tem quase um motor de mobilete no lugar do intestino.

Por fim, é revelado que Teddy matava a mando de Wyatt, o sujeito barbudo que aparece ao seu lado em suas lembranças. Com tantas lembranças, o cowboy ainda vive um conflito interno. O telespectador da série vive outro, na espera pelo décimo e último episódio desta temporada. Até lá.

Walter Riedlinger

Jornalista. Palmeirense fanático e Pé vermelho com orgulho. Escrever e cantar são minhas paixões.