Resenha: O Vilarejo – Raphael Montes

A guerra, a fome e o frio, juntos, podem levar o ser humano a cometer atos inimagináveis. Diante disso, o jovem e premiado escritor Raphael Montes reuniu contos passados em um vilarejo com habitantes que sofrem sob essas condições. Porém, cada personagem consegue adicionar uma dose de “pecado”, horror e surpresa nos 7 contos que compõem O Vilarejo, terceiro livro de Montes. Os títulos anteriores (Suicidas, de 2012, e Dias perfeitos, de 2014) mostram o ingresso do autor no universo dos romances.

No prefácio, Montes se declara tradutor das histórias escritas em uma língua antiga e encontradas em um caderno que caiu em seu poder por acaso. Isso tudo dá um ar ainda mais macabro às histórias.

“Ao olhar para a sala, Anatole tropeça. Sente o corpo tontear e precisa se apoiar na poltrona para não cair no chão. Vomita a pouca comida que guarda no estômago. Olha para o rosto da mulher, mas ela continuar a sorrir”.

O leitor tem a liberdade de ler para escolher a ordem de leitura das histórias, mas é interessante observar a sequência de acontecimentos e perceber como tudo se encaixa.

Somado ao suspense de cada narrativa, temos as belas e assustadoras (no bom sentido) ilustrações de Marcelo Damm, que conseguiu captar a essência e o terror de cada conto e transformou tudo isso em imagens.

o-vilarejo-raphael-montes

A primeira história, Banquete para Anatole, descreve os dias de uma esposa e mãe que aguarda a volta do marido, que saiu há vários dias em busca de comida para a família. O desfecho surpreende o leitor desavisado e prepara-o para uma sequência de contos repletos de sangue e horror. Talvez seja o mais assustador, mas a história das irmãs Valia, Velda e Vonda é “representado” por Leviathan e mostra o que a inveja pode causar. Digo “representado” porque cada conto tem em seu título o nome de um demônio diferente.

“Os devaneios se misturam à realidade. Na ficção, a irmã mais velha é uma solteirona solitária. Na vida real, ela é estupidamente feliz e lhe causa uma sensação estranha, algo esfumaçado, uma nostalgia de querer voltar ao antes, de ter Vália brincando com elas, em vez de tê-la a metros de distância com toda a atenção no namorado”.

A linguagem utilizada em todo o livro é simples, prende o leitor e a leitura flui facilmente pelas 96 páginas que compõem o título. Como se trata de histórias curtas e, de certo modo, interligadas, dá vontade de ler os sete contos de uma só vez.

Os admiradores de autores como Stephen King e André Vianco podem encontrar em Raphael Montes um jovem promissor que não fica devendo aos fãs de terror.

Ficha Técnica:o-vilarejo-cinema-de-buteco


Título:
O Vilarejo

Autor: Raphael Montes

Ilustrador: Marcelo Damm

Editora: Suma de Letras

ISBN: 978-85-8105-304-2

Especificações: 96 páginas

Graciela Paciência

Graciela Paciência nasceu e cresceu em São Paulo. Por muito tempo acreditou que seu futuro estivesse na direção de videoclipes, mas agora prefere gastar seu tempo livre no cinema, em frente à TV ou na companhia de um bom livro. Gosta de Stephen King, clássicos e cinema europeu. Suas metas de consumo estão (quase) sempre atrasadas, mas o importante é seguir em frente.